Noticias Esportes Classificados Entretenimento
Assassinato de MCs em São Paulo assusta cantores de funk
O último a ser vitima de uma execução foi o MC Careca, no mês passado. Ele trabalhava em seu salão de cabeleireiro quando um homem entrou e o matou a tiros.
Postada em: 13/05/2012 ás 22:32:30 Link:
Publicidades Surgiu-22
O Fantástico mostra uma reportagem sobre o mundo do funk. Uma sequência de assassinatos no litoral de São Paulo deixa em pânico os cantores desse estilo musical.

Um jovem mostra o rosto para denunciar as ameaças. Hoje vive escondido: tem medo de morrer.

"Então mira na cara e descarrega o pente".

A música é do cantor de funk Élison dos Santos, 18 anos, conhecido por MC menor da PG. PG é Praia Grande, cidade do litoral paulista. Ele foi obrigado a parar de se apresentar e abandonou a escola. Tudo por causa de um telefonema anônimo.

“Eu perguntei quem era me ameaçaram, falaram que eu era o próximo”, conta o jovem.

Ele não é o único que se diz em perigo. Outros dois cantores de funk do litoral também receberam ameaças.

“Nossos familiares estão apreensivos sim. Principalmente a minha mãe”.

Os três cancelaram shows e têm sérios motivos para ficar em alerta. O medo é geral nas periferias da Baixada Santista.

Quem mora ali vive constantemente assustado. Principalmente depois da morte de cinco cantores de funk que eram verdadeiros ídolos da comunidade. Eles foram brutalmente assassinados.

O último a ser vitima de uma execução foi o MC Careca, no mês passado. Ele trabalhava em seu salão de cabeleireiro quando um homem entrou e o matou a tiros. Na fase mais recente da carreira, Careca fazia e cantava letras leves, sobre festas:

“Geral comigo, demoro fechar. A festa em que eu estou é open bar”.

Mas chegou a fazer dupla com Jonas dos Santos Junior, o MC Pixote. Este sim, um criminoso que foi condenado por atacar delegacias em São Paulo e está na cadeia cumprindo pena de 43 anos. Em uma das músicas, Careca e Pixote ameaçavam a polícia.

“E se mexer com nós a bala come. O bonde da capela mete bala até nos homem”.

O Fantástico falou com testemunhas da morte do MC Careca. Elas têm suas desconfianças sobre quem é o assassino.

“Pela postura não tinha como não ser policial. Pelo jeito que ele estava segurando a arma. A frieza dele. Deu para ver que não estava ofegante, não estava afobado. Não estava nada e foi para matar só o Careca mesmo”.

O delegado reclama da falta de informações. “Várias pessoas viram ele ser executado. Mas ninguém fala.É a lei do silêncio”, diz.

Careca não tinha passagem na polícia.

“Tem uns três meses que ele cortava o cabelo do meu filho super legal, super humilde”, diz a faxineira Ivanete da Silva Cruz, que mora no bairro há um ano.

O MC sabia que podia morrer. Recebeu uma ameaça quando estava no velório de outro cantor de funk. O MC Primo foi morto na porta de casa em São Vicente, cidade vizinha a Santos, na frente da mulher e dos filhos. Também no mês passado.

“A minha mãe chorou quando me viu. Mas eu segurei para a lágrima não cair”,

Um ano antes, outra execução: o MC Duda do Marapé foi baleado no centro de Santos.

“Meu Deus como eu queria que fosse um pesadelo”.

Em abril de 2010, a polícia registrou as duas primeiras mortes de jovens ligados ao funk. Foram assassinados o DJ Felipe e o MC Felipe Boladão, na Praia Grande.

“Até hoje a senhora não sabe quem matou seu filho? Não sei. Mas eu quero muito saber. Eu quero que mostre a cara desse cidadão se é que pode chamar de cidadão, porque é uma pessoa monstruosa”, diz Rivaneide da Silva, mãe do MC Boladão.

Esses cinco homicídios ainda são um mistério. A polícia sabe que quem matou os funkeiros agiu da mesma forma. Eram homens de moto ou carro, encapuzados, que atiraram várias vezes à queima roupa e fugiram.

“Por isso que eu tento linkar as mortes; as características do local e as características das vítimas por enquanto é o que eu tenho em concreto”, diz o delegado Luiz Henrique Ribeiro Artacho.

Os moradores acusam policiais militares pelas mortes. Até agora, o único suspeito preso é o soldado da PM Anderson de Oliveira Freitas.

Um oficial da policia militar vê uma possível ligação entre a morte de Primo e as letras agressivas cantadas pelo MC.

“Eles fazem muito protesto, falam dos poderes constituídos e falam muito da polícia também. Então vamos dizer assim: alguns policiais podem não ter muito simpatia pelo MC Primo”, aponta o major Levi Félix, da corregedoria da PM.

O policial preso nega o crime. “Existem álibis que ele estava de serviço nesse dia. No dia do homicídio, ele estava a serviço da corporação”, diz Tiago de Souza Duca, advogado do policial.

Sem saber de onde vem o perigo, a mãe do MC Menor da PG, ameaçado de morte, se desespera.

“Se não foi uma brincadeira que essa pessoa coloque a cabeça no travesseiro, pense que ela está fazendo o sofrimento de uma família e para ela lembrar que ele também tem família”, pede a mãe.

Já o pai do Felipe Boladão, o MC assassinado há dois anos, ainda tenta entender o que aconteceu.

“A única arma que ele tinha era o papel, a caneta e o microfone. A caneta e o papel para ele compor. E o microfone para ele cantar. E isso não tira a vida de ninguém”, lamenta.
Foto: Fantástico Fonte: Fantástico Postador: Surgiu Redação


Comentarios - Facebook




Comentarios - Surgiu

*De:
*E-mail:
Mensagem
Codigo da Imagem:
Atenção: Os Comentarios aqui publicados são de total responsabilidade
de seus autores e poderão ser excluídos se conterem caráter
pejorativo, ameaças ou ofensas aos visitantes ou ao artista.

Recados:4
De: allan
vei hj perdemos mais um mc o mc daleste tedio
Data: 07/07/2013 ás 20:29:02

De: Paulo Henrique Alencar
Depois de tanto tempo, fiquei meio por fora do assunto, acharam algum culpado? O policial preso foi solto? Foi realmente represália contra aos Mcs devido as músicas cantadas por eles? Por Favor quem tiver alguma informação sobre isso, compartilhe, a mídia esqueceu esses casos, mais as famílias dos mcs até hoje não!
Data: 06/06/2013 ás 11:49:23

De: Diego
Ao meu amigo(a) \"PAZ NO FUNK\"
Quando vc diz agente gosta de apologia mesmo, a que vc se refere? não se justifica tirar a vida de ninguém, mas observe trecho das letras das músicas de Funk: \"Então mira na cara e descarrega o pente\".
“E se mexer com nós a bala come. O bonde da capela mete bala até nos homem”. Musicas fazendo apologia a que mesmo? Pelo jeito resolveram com eles na linguagem deles. Meu Deus onde vamos parar!!!???
Data: 16/05/2012 ás 09:12:58

De: Paz no funk
QUEREMOS PAZ NO FUNK, TEM QUE CALA A BOCA E RESPEITA! A GENTE GOSTA DE APOLOGIA MESMO. FALO MESMO QUE É VERDADE, HOJE EM DIA POLICIAL NÃO ESTÁ DO LADO DO POVO MAIS, TUDO BOROCA! MINHA OPINIÃO, DEUS FAZ JUSTIÇA, VÃO PAGA POR TUDO ISSO. (:
Data: 16/05/2012 ás 01:02:45

Publicidade

Redes Sociais

Publicidade

Publicidades Surgiu-37

Publicidade